Vestir uma nova pele: dicas para uma alimentação saudável

20.6.12
Tal como prometido aqui fica o primeiro artigo da Bárbara.

"O Verão está aí à porta. A nossa disposição muda, o corpo parece efervescer e despertar de um estado de quase hibernação.

O guarda-roupa tem agora um ar mais leve, com mais cor, mais alegria (aliás, como a nossa própria disposição) e até as fragrâncias são suaves e vitaminadas – há uma energia que contagia. Não seria nada condicente com este estado eufórico, termos de passar pela disforia e dissabor de enfrentar um espelho que mostra umas gordurinhas inestéticas.

Foi-me dada a liberdade para vos escrever sobre alimentação saudável e sobre algumas dicas importantes para não perder o Norte. De todas quantas conheço, elejo aqui aquelas que considero fundamentais para que consigamos ser bem-sucedidas:

- Bom, a primeira é mesmo assumir a alimentação saudável como um compromisso permanente, e não apenas como uma dieta louca sazonal, que de saudável não tem nada, combinada com produtos “milagrosos” para perder os quilinhos que se ganharam a mais nos longos meses de frio - recordo o recente alerta da DECO “Produtos para emagrecer: Só a carteira perde peso”.

- Se a leitora está agora decidida a embarcar na grande aventura de se alimentar bem, não perca de mente que deverá fazer entre 5 a 6 refeições por dia (a alimentação deve ser repartida por vários períodos de ingestão, de forma a minimizar jejuns prolongados, vontades desmesuradas de atacar o frigorífico ou de, por exemplo, comer excessivamente ao almoço e ao jantar). Vai assim notar que tem muito mais controlo sobre o que come e quanto come.

- Recorde sempre que uma alimentação saudável deve seguir os princípios da Roda dos Alimentos. Respeite as regras mais simples: ingira, diariamente, alimentos de todos os grupos da Roda, respeite as porções (ou seja, coma mais alimentos dos grupos maiores da Roda) e varie os alimentos dentro de cada um dos grupos.


Imagem: Associação Portuguesa
 dos Nutricionistas
É muito comum dizer-se que “para perder peso é necessário cortar ou mesmo eliminar por completo os hidratos de carbono, nomeadamente, o pão, a massa, o arroz, a batata, etc.) – este é um erro muito comum que conduz a insucesso na perda de peso. Importante sim é consumir mais hidratos de carbono complexos (arroz, massa, leguminosas, batata, etc.) e reduzir o consumo de hidratos de carbono simples (ou seja, açúcar e todos os produtos que o contêm).

- Já que estamos perto do Verão, abusemos do melhor que ele tem para nos dar: muita fruta e muitos hortícolas! Muito saciantes, riquíssimos em água (atentemos, por exemplo, à melancia, ao melão, ao tomate e à alface) com poucas calorias e com uma enorme variedade de minerais e vitaminas. Já agora, é de destacar que os hortofrutícolas contêm antioxidantes, que podem contribuir para uma pele mais saudável: por exemplo, a cenoura, o damasco, a papaia, o pêssego e os espinafres, contêm beta caroteno; é também de mencionar a vitamina C (presente em citrinos, kiwi, morangos, couve galega) e o selénio (presente em frutos secos como as nozes) que podem dar um excelente contributo à saúde da nossa pele.

- Quanto à hidratação: é crucial estarmos bem hidratados; ou seja, diariamente há que tentar repor todas as perdas hídricas. Esta reposição assume contornos mais desafiantes com o aumento da temperatura em que, as perdas são, inevitavelmente, maiores. Leve água consigo para toda a parte. Se gostar de acessórios novos, encontra hoje mil e uma opções giras e até ecológicas para transportar a sua água. Opte por água simples, sem quaisquer sabores adicionados ou, alternativamente, por chás ou tisanas refrescantes, não açucaradas. E não esqueça: além das bebidas, há inúmeros alimentos ricos em água. Quebrando o mito: água às refeições não engorda.

Imagem 2: Associação Portuguesa
dos Nutricionistas
- E quanto aos produtos light? Aconselho alguma prudência, dado que é comum pensar-se, erradamente, que o consumo deste tipo de produtos está sempre associado a uma redução da ingestão energética. Sucede que os produtos light têm, por vezes, o mesmo valor energético do produto tradicional, sendo que apresentam apenas uma redução de um dos nutrientes energéticos: por exemplo, “teor de gordura reduzido”. O que acontece nestes casos é que, à custa da redução do teor de um dos nutrientes, acaba por se adicionar outro nutriente energético (por exemplo, o açúcar) para aumentar a palatabilidade. Podem ser interessantes os produtos light com redução do teor de açúcar (normalmente contendo edulcorantes), como forma de substituir alguns docinhos num plano alimentar para perda de peso. Acima de tudo, perca tempo nas compras e dedique-se à leitura dos rótulos – convido-a mesmo a comparar a versão light com a versão tradicional – terá, seguramente, muitas revelações.

Quero terminar este artigo com aquele que considero o melhor conselho a dar-lhe: além de tudo o que foi dito, não descure a atividade física – sabia que após atividade física intensa pode haver um sentimento de euforia? Isto deve-se a uma libertação endógena de opióides, as endorfinas, que nos dão uma sensação generalizada de bem-estar. Ideal será conseguirmos mais de 150 minutos de atividade física moderada a vigorosa (“exercício”) por semana e não atingir os 120 minutos sedentários (sentado) por dia. Por isso, já sabe: de hora a hora, levante-se da cadeira e vá, por exemplo, retocar o batom. A evidência demonstra que lhe fará muito bem!"


Obrigada, Bárbara! O que acharam das dicas?

3 comentários:

  1. Conhecendo a Dra. Bárbara sei que são óptimas as dicas e que nunca são demais relembrar, adorei o post,


    beijinhos!!

    ResponderEliminar
  2. Excelente!! Uma ajuda preciosa na desmistificação de alguns mitos! Obrigada ;)****

    ResponderEliminar

AddThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...